Revista Ave Maria

Artigos da revista › 02/04/2018

A Igreja nascente com Maria

“Todos eles perseveravam unanimemente na oração, juntamente com as mulheres, entre elas Maria, mãe de Jesus (…).” (Atos dos Apóstolos 1,14)

Celebramos a solenidade máxima do cristianismo – a Páscoa – no dia primeiro deste mês. Tempos atrás, quando eu escrevia o livro Imitação de Maria – o segredo de sermos agraciados por Deus, pensava como a Igreja nascente se reuniu em torno de Maria após a ressurreição de Jesus. Eu gostaria de partilhar com todos vocês parte desse livro, que com toda certeza nos inspirará:

            “Depois da ressurreição de Jesus, de Ele ter se manifestado aos seus discípulos, ter reforçado seus ensinamentos e encorajado cada um deles a ser transmissores dessa Boa Nova, Ele sobe aos céus para que se cumprisse tudo o que dele havia sido prometido.

A Igreja nascente começa a se organizar, eles perseveravam unânimes na oração. No meio dos discípulos e seguidores de Jesus é destacada a presença de Maria.

A mãe de Jesus no cenáculo era uma referência, não existiam mais dúvidas, o mistério divino estava revelado, ela se torna anúncio da Palavra de Deus, ela conta aos discípulos como foi a história.

Ao redor de Maria estavam muitos que queriam aprender dela o caminho da santidade, o caminho da perfeição. Com simplicidade ela vai recordando os fatos que guardou no seu coração.

A Igreja nasce assistida pela presença marcante da mãe de Deus. Ela ora com a comunidade que é perseverante, porque além da presença real do Cristo, vivo e ressuscitado, Maria ensina que a coragem de seguir em frente é a marca dos agraciados pelo Senhor.

Maria é a mestra da oração, ela sabe como se dirigir ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. Orar é oferecer-se continuamente ao Altíssimo. Se quisermos aprender a rezar é necessário que frequentemos o cenáculo em que Maria está presente.

Uma igreja sem Maria é uma comunidade sem um laço que une. Não há como nos sentirmos membros do Corpo Místico de Cristo se uma parte imprescindível desse corpo é negada.

Imitar Maria é orar em comunidade, é testemunhar os feitos do Senhor em nossa existência, é colocar o coração no altar e dizer: ‘Vejam, Deus foi misericordioso para conosco… Ele fez maravilhas, Santo é seu nome’”.

 

Seja Deus a nossa força!

 

Pe. Luís Erlin, cmf.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.