Revista Ave Maria

Artigos da revista › 04/01/2017

Consultório Católico: qual a importância dos padrinhos na vida cristã?

“De vós, padrinhos e madrinhas, Deus espera uma colaboração particular, que se exprime no apoio dado aos pais ao educar seus filhos de acordo com os ensinamentos do Evangelho.” (São João Paulo II)

2Os padrinhos desempenham uma grande missão na vida cristã, pois são apoio necessário aos pais e aos afilhados. A tarefa dos padrinhos é uma verdadeira função ligada à Igreja. Desse modo, o convite aos padrinhos não deve fundamentar-se tão somente nos conceitos de amizade, status ou relacionamento social. Não se pode perder de vista que o padrinho e a madrinha devem colaborar com os pais na educação e formação cristã de seus afilhados. Assim, conhecimento e prática cristã são elementos indispensáveis na escolha daquele e daquela que assumirão, diante de Deus e da Igreja, a preciosa missão de acompanhar o afilhado e/ou a afilhada, do Batismo ou da Confirmação.

No caso do Batismo, para que a graça batismal possa se desenvolver é importante a ajuda dos pais, pela vida de oração e testemunho de vida cristã. A missão dos padrinhos é acompanhar o batizando adulto na iniciação cristã e, junto com os pais, apresentar ao Batismo o batizando quando ainda é criança. Assim, o padrinho ou a madrinha – que devem ser cristãos firmes, capazes e prontos a ajudar o novo batizado, criança ou adulto –, colaboram na vida cristã de seus afilhados.

Para o sacramento da Confirmação, cabe à madrinha ou ao padrinho acompanhar e incentivar, com sua própria vida, o confirmando, para que se configure verdadeira testemunha de Cristo. Assim, aos padrinhos e às madrinhas compete a grande missão de ajudar espiritualmente seus afilhados a cumprir com fidelidade as obrigações inerentes aos sacramentos que receberem.

Podemos verificar que é grande o empenho que os padrinhos e madrinhas devem ter em relação aos seus afilhados. Não basta apenas participar das celebrações do Batismo ou da Confirmação, mas é necessário dedicar a própria vida, seja em seu aspecto espiritual – na intercessão pelos afilhados, por exemplo –, seja em seu aspecto didático, quando também se deve instruí-los de acordo com os ensinamentos cristãos.

Texto adaptado da edição de janeiro da Revista Ave Maria. Para ler os conteúdos na íntegra, clique aqui e assine.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.