Revista Ave Maria

Artigos da revista › 25/07/2016

Dia dos Avós

dia-dos-avosPor João Bosco e Eunides, Lugnani

É bom celebrar o Dia dos Avós, muito embora todo dia seja dia dos avós. Mas, quem são eles? A resposta que vem mais de imediato parece ser um casal meio idoso, grisalho. Pode ser isso, mas pode também ser alguém que ainda não chegou aos quarenta. Pode ser uma viúva ou um viúvo, pode ser alguém bem vigoroso, ou já um pouco fragilizado pela idade ou doença. O essencial é que qualquer avô ou avó é muito importante e tem missão fundamental enquanto viver. Cada um, como qualquer pessoa de qualquer idade, foi criado por Deus à Sua imagem e semelhança. Logo, tem valor e dignidade indestrutíveis, seja qual for sua situação ou idade.

Convidamos os avós a agradecer a Deus, com muita frequência e persistência, por seu valor e dignidade indestrutíveis. Esses dons de Deus ninguém na face da Terra os pode destruir ou roubar!

A missão que Deus confia aos avós dura até o final da vida terrena e começa pelo desafio pessoal de crescer em santidade e educar-se para, assim, formar filhos e netos, pelo testemunho de vida e pelo exemplo. Não se pode esperar a perfeição, porém, deve-se buscar atender à exortação “Sê perfeito, como o Pai é perfeito”. Só Deus é perfeito! Mas, em nossa luta pela santidade, em obediência a Deus, somos evangelizadores eficazes. Essa é a maior ajuda que nós, avós, podemos dar às gerações mais novas, filhos, netos e outros. Esse legado é maior que qualquer riqueza ou presente material, pois ninguém o pode roubar ou destruir e, mais ainda, é um legado atemporal e eterno.

Com todas as nossas limitações como podemos crescer em santidade e realizar a gigantesca missão de formar/evangelizar pessoas, particularmente as de nossa família?

O princípio e base de tudo está em conhecer a Deus, escutá-Lo e caminhar com Ele. Daí decorre muito aprendizado com alegria e esperança e com resultados claramente observáveis. Por exemplo, escutando ao Mestre aprendemos e cremos que quem quer ser grande deve ser o servo dos outros. Isso parece ir contra o que o mundo nos ensina. O mundo diz que grande é quem manda e é servido, quem tem poder! Quando colocamos em prática o que Deus ensina, a experiência é maravilhosa! A gratificação interior é surpreendente e os frutos logo começam a aparecer.

Mesmo sendo humilde e servidor dos outros, o amigo de Deus nunca se anula. Por ser imagem do Criador de todas as coisas, por ser feito à mão por Deus, o discípulo não se anula e não aceita ser anulado. Sabe estimar o seu valor e sua dignidade.

O vovô e a vovó, ao caminhar com Deus, são discípulos que aprendem valores e transformam-se, convertem-se e educam-se, dia a dia. E, ao educarem-se, converterem-se, educam outros. Como isso acontece? Colocando em suas vidas valores que antes não assumiam, ou que assumiam parcialmente. Vai acontecendo, de fato, a conversão do discípulo de Jesus. Que valores são esses? São valores ensinados por Jesus, como: reconhecer os próprios erros e pedir perdão com humildade, toda vez que os constatar; perdoar quem errou, quantas vezes for necessário; escutar as pessoas, desde a criança até o idoso, independentemente da importância do assunto, mas valorizando a pessoa que fala e tenta se comunicar; tomar a radical decisão de amar em situações difíceis, como, por exemplo, fez nosso Mestre do alto da cruz; ser firme na defesa dos princípios fundamentais de respeito à pessoa humana e à moral cristã. Enfim, caminhando com o Mestre, de forma constante, aprendemos e vamos nos educando como discípulos Seus. Nós, avós, nos beneficiamos, mas faremos uma grande diferença para nossos filhos, netos, genros, noras, idosos da família, e toda a comunidade próxima.

Muitos de nós não aprendemos, ao longo da vida, a externar nossos sentimentos. Não falamos que amamos nossa esposa ou esposo, nossos filhos ou filhas, genros, noras, pessoas da família ou mesmo de fora. Frequentemente deixamos de elogiar os outros. Algumas vezes não agradecemos a pessoas da família que estão executando tarefas de rotina, como se não estivessem fazendo mais do que uma obrigação. Perdemos, assim, excelentes oportunidades de crescer e ajudar os outros a crescer, de nos educar e favorecer a educação das gerações mais novas. É interessante notar que Jesus Cristo quis escutar de Pedro três vezes a afirmação de que O amava (cf. Jo 21,15). Portanto, é muito bom que nós, os avós, aprendamos a ser sempre muito explícitos, nos gestos e palavras amorosas. O amor ao próximo, como mandamento de Deus, deve ser exercitado reiteradamente, com ações e com palavras.

Nos tempos modernos a realidade das famílias tornou-se um tanto difícil. Elas lutam duro para viver e para educar os filhos. É muito grande o número de famílias que necessita da ajuda dos avós nessa batalha diária. Às vezes, a família é monoparental. Por motivos que não vamos pormenorizar agora, a família é constituída só da mãe e filhos, ou só de pai e filhos. Nesses casos as dificuldades aumentam e a ajuda dos avós se torna ainda mais urgente e necessária. Há casos em que não se tem um casal de avós, mas apenas um deles! Essas circunstâncias aumentam as dificuldades e também a oportunidade de os avós (ou avô, ou avó) servirem. Isso não é um infortúnio! Lembrem-se do ensinamento de Cristo quando lavou os pés dos discípulos.

Não é raro nós, os avós, assumirmos atitudes e ações por meio das quais invadimos o direito e a autoridade dos pais. Cada vez que isso acontece prejudicamos nossos filhos e netos e dificultamos a formação das crianças. Temos que respeitar a hierarquia estabelecida por Deus e ajudar os pais a crescer como formadores dos filhos.

No cansaço e no peso da cruz, não diga que Deus Se esqueceu de levar você! Deus não Se esquece de nada, a não ser de nossas faltas perdoadas! Mas Ele acredita em cada um de nós e confiou a você uma grande e desafiadora missão, exatamente porque acredita em você. Vovô e vovó, cada minuto de suas vidas é dom precioso de Deus para realizar a obra que lhes confiou, por acreditar em vocês como discípulos Seus.

Em suas conversas com Deus, podem reclamar, não tenham medo. Ele os ama como ninguém. Podem dizer que não entendem. Podem perguntar e aguardar a resposta. Queridos vovô e vovó, a caminhada com Deus é suave e produz frutos abundantes. São muitas as situações reais do dia a dia que não entendemos e para as quais não vemos saída. Nessas situações, é bom fazer como a criança pequena que segura a mão do papai e sente-se totalmente protegida. Nosso Deus pode mais que os pais terrenos e nos ama a ponto de dar a vida pelos amigos.

Todo dia é dia dos avós, mas vamos celebrar com alegria e agradecidos, incluindo em nossa festa Aquele a quem devemos a vida e a vida para sempre na casa do Pai, conquistada com o sangue do Filho Jesus Cristo, que Se entregou livremente por amor. Ele é nosso maior amigo!

Certamente, todos nós temos experiências marcantes de nossos avós. Isso nos desafia a não deixarmos passar a oportunidade de marcar positivamente e de modo perene, com valores evangélicos, a vida de nossos netos. Nossos testemunhos não morrem!

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.