Revista Ave Maria

Artigos da revista › 01/09/2019

Espiritualidade Cristã: Vocação à santidade

“A exemplo da santidade daquele que vos chamou, sede também vós santos em todas as vossas ações, pois está escrito: ‘Sede santos, porque eu sou santo’.” (Lv 11,44) (1Pd 1,16)

Espiritualidade é a dimensão específica e conatural do ser humano. Manifesta a busca e a vivência do sentido da vida e do mistério de Deus.

Todo ser humano é dotado de uma natural espiritualidade.  Ela se expressa em formas diversas, como a busca pela verdade, pela beleza, pela justiça, pela prática do bem, assim como em formas e rituais religiosos.

Jesus, em sua vida e missão, revelou a face verdadeira de Deus. Desde então, a espiritualidade apresenta um novo modo de viver, expressão de uma novidade única e definitiva que é a experiência de Deus Amor. Jesus revela a espiritualidade como a vida de comunhão consigo, com as pessoas, com o universo, com Deus. Todas essas expressões estão inter-relacionadas e envolvem-se.

Ao longo da história da vida cristã, foram muitas as expressões da espiritualidade inspiradas no Evangelho, tanto nas palavras como nas atitudes de Jesus. A mesma espiritualidade cristã, de tão rica e profunda, expressa os muitos vultos de uma única face: os carismas, os dons, as experiências.

ESPIRITUALIDADE HOJE

A Igreja vive novos desafios para a vivência da sua espiritualidade hoje, que são de ordem interna à vida da Igreja, assim como da cultura contemporânea.

Há uma necessidade e um desafio nessa mudança de época que afeta a maneira de entender e viver a vida cristã. Por um lado, um mal-estar diante de certos aspectos tradicionais; por outro lado, o desafio de voltar às origens e à fonte da fé, apelo frequente e insistente do Papa Francisco; ainda, há o desafio de abertura para o mundo contemporâneo, com suas buscas, inquietações e desafios.

A ESPIRITUALIDADE NA IGREJA DO CONCÍLIO VATICANO II

A partir do Concílio Vaticano II, uma renovada e renovadora manifestação do Espírito Santo sobre a Igreja levou a uma descoberta das características mais coerentes com a vida nova em Cristo, fonte da espiritualidade cristã.

Do Concílio, vivendo um retorno às fontes e à origem da vida cristã, surgem as características fundamentais da espiritualidade cristã, que devem ser para todos os cristãos – leigos, consagrados, ministros ordenados, crianças, jovens, adultos, enfim, todos os que foram batizados no caminho necessário para seguir Jesus.

A seguir, as características fundamentais da espiritualidade cristã para membros da Igreja viverem e testemunharem a fé, segundo o Concílio Vaticano II:

  1. Espiritualidade bíblico-cristocêntrica: Cristo como fundamento da vida cristã. A sua Palavra como palavra de vida.
  2. Espiritualidade litúrgica: a liturgia como fonte e ápice da vida cristã.
  3. Espiritualidade no meio do mundo: o mundo como o campo de missão com todas as suas expressões.
  4. Espiritualidade eclesial-comunitária: a Igreja como comunidade de vida, família de Deus.
  5. Espiritualidade ecumênica: a abertura e o reconhecimento dos valores do Evangelho nas múltiplas manifestações culturais e religiosas; o diálogo e abertura para a busca da verdade.
  6. Espiritualidade missionária: ser discípulo seguidor que testemunha a fé e a anuncia com a vida e a palavra.
  7. Espiritualidade mariana: Maria como mãe, modelo e educadora dos discípulos de seu Filho e Redentor.

Todas essas características revelam a verdadeira identidade de ser cristão e correspondem ao mistério revelado pelo Pai, em Cristo no Espírito Santo.

Seria impossível viver como discípulos de Jesus sem considerar o que Ele revelou e nos chama a viver. Todos nós somos chamados, pessoal e comunitariamente, a nos converter diariamente, momento para irmos “crescendo na graça e no conhecimento de Cristo” (2Pd 3,18).

Vivendo a espiritualidade autenticamente cristã, assumimos nossa vocação universal à santidade na Igreja, a que todos somos chamados. A Igreja é a comunidade de santidade, nasceu e existe para isso. Essa é sua identidade e sua missão: a vocação universal à santidade. O Espírito Santo revela e conduz ao exercício multiforme da santidade única em Cristo e revela o caminho e os meios à santidade.

“Portanto, sede perfeitos, assim como vosso Pai celeste é perfeito.” (Mt 5,48)

“Pois eu sou o Senhor, vosso Deus. Vós vos santificareis e sereis santos, porque eu sou santo.” (Lv 11,44)

“(…) porque eu sou o Senhor que vos tirou da terra do Egito para ser o vosso Deus. Sereis santos porque eu sou santo.” (Lv 11,45)

“Dirás a toda a assembleia de Israel o seguinte: ‘Sede santos, porque eu, o Senhor, vosso Deus, sou santo’.” (Lv 19,2)

“Santi­ficai-vos, e sede santos, porque eu sou o Senhor, vosso Deus.” (Lv 20,7)

“Sereis para mim santos, porque Eu, o Senhor, sou santo; e vos separei dos outros povos para que sejais meus.” (Lv 20,26)

“(…) e nos escolheu nele antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis, diante de seus olhos.” (Ef 1,4)

“Eis que agora Ele vos reconciliou pela morte de seu corpo humano, para que vos possais apresentar santos, imaculados, irrepreensíveis aos olhos do Pai.” (Cl 1,22)

“Portanto, como eleitos de Deus, santos e queridos, revesti-vos de entra­nhada misericórdia, de bondade, humildade, doçura, paciência.” (Cl 3,12)

“A exemplo da santidade daquele que vos chamou, sede também vós santos em todas as vossas ações, pois está escrito: ‘Sede santos, porque eu sou santo’.” (Lv 11,44) (1Pd 1,16)

 

Pe. José Alem, cmf

 

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.