Revista Ave Maria

Artigos da revista › 01/02/2018

A esperança que brota das cinzas

“Vem do Senhor a salvação dos justos,

que é seu refúgio no tempo da provação.” (Salmo 36,39)

Fomos feitos do barro, da terra, somos pó. Cada um de nós compõe um universo singular, único e irrepetível. Somos obras-primas das mãos de Deus. Porém, não nos esqueçamos: somos pó.

Ser pó, voltar ao pó… Essas expressões podem nos assustar, gerando angústia e medo. A intenção não é amedrontar, não é uma proclamação do fim, mas, um convite a uma existência responsável. Nesse caso é uma avaliação da nossa vida no aqui e agora.

Iniciamos o Tempo Quaresmal com a imposição das cinzas, um sinal de que nossa condição terrena é limitada, de que nossa vida é muito curta, que nosso respiro pode faltar a qualquer momento… Que a matéria ao pó voltará.

Receber as cinzas é debruçarmo-nos sobre nossa história pessoal e avaliarmos o que já passou, ou seja, as obras realizadas, as que ainda precisam ser concluídas, as inúmeras conversões que precisam ser feitas. É respirar fundo sem nos prendermos no passado, é antes de tudo projetarmo-nos, enchermo-nos do desejo mais profundo de viver bem, com sentido, em liberdade cada segundo.

Receber as cinzas é prepararmo-nos para entrar no deserto com Cristo e ali tomarmos consciência de quem realmente somos.

É hora de reconhecermos nossas fragilidades; mais do que isso, é o momento de sentirmos o sopro de Deus que move o barro que somos. É ter a certeza, a firme esperança de que o hálito do Altíssimo em nós é eterno.

A Quaresma é um tempo litúrgico com o propósito de mudar nossa história. Neste ano, meditaremos sobre o tema da violência na Campanha da Fraternidade; que superemos todo tipo de violência com uma atitude de paz em nosso cotidiano.

Seja Deus a nossa força!

Pe. Luís Erlin, cmf.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.