Revista Ave Maria

Artigos da revista › 28/04/2017

Caná da Galileia

peregrinacao_e_fe_03Começamos nossa visita à região da Baixa Galileia, pela cidade em que Jesus realizou seu primeiro sinal. Caná (Kafr Kanna), cujo significado do nome é incerto, é uma cidade habitada por cristãos e muçulmanos que vivem em paz. Está distante uns 10 km de Nazaré. Atualmente, possui aproximadamente 8 mil habitantes, sendo que 2 mil são cristãos. Por esse dado, Caná é considerada uma das maiores cidades cristãs da Terra Santa. O Vaticano a reconheceu oficialmente no século XVII e, a partir disso, foi incluída na lista dos lugares santos.

Não encontramos menção a essa cidade no Antigo Testamento, mas, no Novo Testamento, ela se destaca pelo primeiro sinal realizado por Jesus durante um casamento, transformando água em vinho (cf. Jo 2,1-11); é a terra natal de Natanael, um dos apóstolos (cf. Jo 21,2), e Jesus a visitou uma segunda vez como está descrito em Jo 4,46. Sem dúvida, as pessoas que visitam Caná vão em busca da pequena igreja, que a tradição considera ser o lugar em que se realizaram as bodas. Sabemos que Jesus foi convidado, junto com sua mãe e os discípulos, para um casamento no início de sua vida pública.

A pequena igreja foi construída em 1879 pelos católicos em cima das ruínas bizantinas e ao lado está a igreja greco-ortodoxa de São Jorge,datada de 1866, que abriga duas talhas de pedra que seus seguidores acreditam ser as mesmas em que Jesus realizou o milagre. A igreja está localizada numa rua simples e bem harmoniosa, que passa despercebida aos olhos dos peregrinos.

A arquitetura é aconchegante e abriga no subterrâneo as ruínas da época de Jesus. Na cripta da igreja existem restos de vasos de cerâmica, mas não são autênticos. A atual custódia desse lugar pertence aos franciscanos.

Ao longo dos anos, o que mais motiva os peregrinos a visitar Caná é sem dúvida a espiritualidade salientada pelo primeiro milagre de Jesus. Muitos casais escolhem o lugar para realizar seu casamento e a grande maioria faz a renovação de suas bodas matrimoniais com o firme propósito de seguir o Mestre e “fazer tudo o que Ele disser” no cumprimento da missão cristã.

A mística de Caná revela que o amor de Deus pela humanidade é igual a uma festa de bodas, em que a alegria abundante é dada gratuitamente àqueles que se abrem à ação do Espírito. Em Caná, os visitantes encontrarão um clima de festa e poderão inclusive experimentar os vinhos produzidos na região e voltar para suas casas com o coração cheio de ternura e mansidão.

O milagre da transformação da água em vinho é o sinal da paixão de Jesus pelo ser humano. O Senhor não mede esforços para que nossos corações se convertam em festa e sejam sempre sinal de amor para o povo.

Que Maria nos inspire a buscar em Jesus a verdadeira alegria!

Artigo de autoria do Padre Nilton César Boni, cmf. 

Texto extraído da seção “Peregrinação e fé” da Revista Ave Maria – Edição Abril/2017.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.