Revista Ave Maria

Artigos da revista › 23/11/2016

Evangelização: palavras na areia e na pedra

4O povo brasileiro tem uma riqueza inigualável em comparação com outras nações do mundo: a miscigenação. Essa mistura de raças, povos, culturas e tradições surpreende a quem vem ao nosso país pela primeira vez. Eu mesmo sou uma mistura de duas raças. Meu pai é descendente de portugueses e minha mãe, dos povos indígenas. Contudo, quando eu era criança, uma coisa me intrigava: o nome de meu pai, Nagib, e os dos meus tios, que têm nomes árabes, gregos ou bíblicos, como Aziz, Alípio, Lídia, Nicolau e Elias.

Certa vez, conversando com eles, disseram-me que isso aconteceu porque meu avô era comerciante e muito amigo dos imigrantes árabes que vieram morar na minha cidade natal. Quando nascia um filho seu, logo homenageava um dos seus amigos, colocando o seu nome na criança. Essa convivência pacífica e amorosa me enchia de alegria e me fazia aprender muitas histórias que os árabes contavam. Existe uma lenda que ouvi de um deles, ainda na juventude, de que nunca me esqueci: um dia, lá no Oriente Médio, dois amigos caminhavam pelo deserto em busca de um oásis para descansar. Eles andavam, andavam… e nada! Até que, muito cansados, acabaram discutindo e brigando.

Aquele que se sentiu ofendido pegou seu cajado e escreveu na areia: “Hoje, o meu melhor amigo brigou comigo”. Eles continuaram a busca por água e comida até que, finalmente, avistaram um pequeno oásis no deserto. Aquele que escrevera a frase na areia saiu correndo, bebeu bastante água. Depois, pulou naquele lago para se refrescar. Mas, como estava exausto da viagem, começou a se afogar. Vendo isso, o outro correu, estendeu-lhe as mãos e puxou-o para fora. Depois de recuperar as forças, abraçou-o e agradeceu seu gesto de amor. Em seguida, gravou a seguinte frase numa pedra: “Hoje, o meu melhor amigo salvou a minha vida”.

Então, aquele que antes tinha brigado com ele e depois salvou sua vida perguntou: “Por que, quando o ofendi, você escreveu aquela frase na areia e agora, que o ajudei, você gravou essa frase numa pedra?”. O outro lhe respondeu: “Quando alguém faz alguma coisa que nos magoa, devemos escrever o fato na areia, para que o vento do amor e do perdão apague rapidamente aquelas palavras que nos machucaram tanto. Todavia, quando alguém nos faz o bem, devemos escrever o que ele nos fez numa pedra, para que possa ser lembrado por muitos e muitos anos”.

Sinto saudade daquele tempo em que convivia com esses grandes amigos de minha família. Rezo por eles e por todos os que deixaram suas terras para construir sua história de vida no Brasil…

Por Pe. Agnaldo José

Texto adaptado da edição de novembro da Revista Ave Maria.
Para ler os conteúdos na íntegra, clique aqui e assine.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.