SOB A PROTEÇÃO MATERNAL DE MARIA

Baixar Versão em PDF

HÁ NOVENTA ANOS, A FORÇA DA FÉ SIMPLES DOS DEVOTOS FOI RECONHECIDA E POR ISSO NOSSA SENHORA APARECIDA TORNOU-SE A PADROEIRA DO BRASIL

Em 1717, há mais de trezentos anos, uma singela imagem transformou a fé de um povo. Três pescadores jogaram as redes no rio Paraíba do Sul, após horas de trabalho sem nada conseguir, até que pescaram uma imagem de barro. Primeiro apareceu o corpo e depois a cabeça de Nossa Senhora da Conceição, mais tarde chamada de Aparecida.

Minutos depois de colocarem a imagem no barco puderam experimentar a intervenção sobrenatural por meio da intercessão da divina Mãe, enchendo suas redes de peixes, que mal conseguiam carregar. Décadas depois, a escultura negra feita de barro com 36 centímetros de altura se tornaria o maior símbolo da fé católica nacional e declarada Rainha e Padroeira do Brasil. Todos os anos, ela recebe aproximadamente 12 milhões de romeiros em sua casa, a segunda maior basílica e maior santuário mariano do mundo, na cidade de Aparecida (SP).

UMA HISTÓRIA DE NOVE DÉCADAS

Em 31 de maio de 2021, data em que a Igreja celebrava a festa litúrgica da visitação de Maria a sua prima Isabel, o catolicismo brasileiro fez memória dos noventa anos da proclamação de Nossa Senhora Aparecida como Padroeira do Brasil. A data foi decretada pelo Papa Pio XI no ano anterior a pedido dos bispos brasileiros junto com o reitor do Santuário Nacional.

90 anos Padroeira no Santuário Nacional em Maio de 2021.

Dizia o decreto pontifício: “Por motu proprio e por conhecimento certo e madura reflexão nossa, na plenitude do nosso poder apostólico, pelo teor das presentes letras, constituímos e declaramos a Beatíssima Virgem Maria concebida sem mancha, sob o título de Aparecida, padroeira principal de todo o Brasil diante de Deus. Concedemos isso para promover o bem espiritual dos fiéis no Brasil e para aumentar cada vez mais a sua devoção à Imaculada Mãe de Deus”.

A cerimônia solene da proclamação aconteceu no dia 31 de maio de 1931, na cidade do Rio de Janeiro (RJ), que na época era a capital da República. A imagem original, que nunca havia saído do santuário, foi levada de Aparecida para a cidade fluminense em uma viagem de trem.

“A santa foi colocada em um vagão especialmente transformado em capela e ao longo do trajeto ela foi parando em várias localidades e as multidões iam acenando, louvando e agradecendo a visita de Nossa Senhora que por ali estava passando”, rememora o Padre Helder José, missionário redentorista e prefeito de igreja do Santuário Nacional de Aparecida.

De acordo com os jornais da época, cerca de 1 milhão de pessoas recepcionaram a pequena imagem que desfilou em uma procissão pelas ruas da Cidade Maravilhosa até chegar à esplanada do Castelo, na baía de Guanabara.

A consagração solene de Nossa Senhora Aparecida como Padroeira do Brasil aconteceu diante de toda a sociedade brasileira reunida. Ali estavam fiéis, intelectuais, clérigos e autoridades.

Neste ano de 2021, devido às restrições da pandemia, as homenagens foram mais simples, com menor número de pessoas e seguindo os protocolos de distanciamento social e uso de máscaras e álcool em gel. As celebrações aconteceram em Aparecida e no Rio de Janeiro.

O decreto papal foi, e continua sendo, muito significativo para todos os católicos, é o reconhecimento oficial de ter uma padroeira negra, que se identifica com o povo brasileiro. Padre Helder José pontua que Nossa Senhora Aparecida nos ajuda a olhar para as minorias necessitadas, a encontrar Jesus presente na gente empobrecida.

“Vivíamos um período após a abolição da escravatura e Nossa Senhora Aparecida, pela sua cor, pela maneira e por quem foi encontrada, simboliza essa libertação dos oprimidos e da escravidão. Em busca de melhores condições de vida; de respeito; em busca de vida com dignidade para todas as pessoas, de modo especial para os negros, de uma época muito sofrida no Brasil”, comenta o missionário redentorista.

A FORÇA DA INTERCESSÃO DA MÃE APARECIDA

 

A confiança na intercessão de Maria junto ao seu filho Jesus é algo que já faz parte da identidade do católico. Quem nunca confiou um pedido a Nossa Senhora Aparecida? Ou entregou aos seus cuidados uma graça inalcançável?

Salatiane da Silva Magalhães

Assim o fez a auxiliar de seguros Salatiane da Silva Magalhães, 43 anos, de São Paulo (SP). Devota da Virgem Mãe Aparecida desde pequena, Tiane, como é conhecida, recorreu à intercessão da santa pela primeira vez aos 4 anos de idade, quando seu pai sofreu um grave acidente e ficou entre a vida e a morte. “Pedi à minha mãe para levar uma imagem de Nossa Senhora Aparecida (que era feita de plástico com areia dentro) até o meu pai na unidade de terapia intensiva. Ao colocá-la sobre as mãos dele a tampa da imagem soltou e toda a areia caiu sobre ele; no dia seguinte, meu pai começou a melhorar até ter alta do hospital”, graça que ela atribui à Virgem Mãe Aparecida.

No fim de 2019, ao fazer exames de rotina, ela foi surpreendida com a notícia de que estava com câncer de mama. “Quando a médica me informou que eu teria que fazer sessões de quimioterapia e que isso faria meus cabelos caírem chorei muito, fiquei desesperada, mas, em seguida, dobrei meus joelhos e pedi a intercessão de Nossa Senhora Aparecida para que me desse sabedoria para aceitar aquilo que eu não poderia mudar. Mais uma vez ela me escutou, acalmou e eu não voltei mais a chorar”, recorda.

Não foi um período fácil para Tiane, ela teve de ser forte e não demonstrar fraqueza diante de seus pais, que são idosos. Enfrentou, além da cirurgia, as sessões de quimioterapia e radioterapia; muito vaidosa, viu sua aparência se transformar rapidamente com a queda dos cabelos e o inchaço no corpo.

“Vencer essa doença tão terrível que afeta tantas pessoas e não escolhe classe social, que muitas vezes não tem cura, foi bem difícil. E vivi isso em plena pandemia, sem poder receber visitas nem sair de casa, espairecer. Todos os dias eu pedia forças para enfrentar a doença e clamava pelo milagre da cura para Nossa Senhora Aparecida. Ela mais uma vez intercedeu a Deus e atendeu à minha prece: após oito meses de muita luta e de tratamento fui curada do câncer de mama”, relata emocionada a devota.

UMA FAMÍLIA CONVERTIDA E DEVOTA DA MÃE DE DEUS

 

Natural de Pirapora (MG), a pensionista Elza do Socorro Souza Farias, 73 anos, hoje moradora de Guarulhos (SP), aprendeu a amar Nossa Senhora Aparecida por meio do testemunho de fé de sua sogra, Maria José. Na adolescência, ela frequentava os cultos sabatinos da Igreja Adventista, junto com a sua mãe, Geralda. Na década de 1960, elas se mudaram para São Paulo e na nova cidade Elza conheceu seu esposo Orlando (in memoriam).

Ao frequentar a casa do noivo, Elza passou a acompanhar a crença da família católica: “Era costume deles rezar o Terço todos os dias, ler a Bíblia, cultuar a Mãe de Deus e eu e minha mãe os acompanhávamos. Por meio dessa fé popular nos tornamos devotas de Nossa Senhora Aparecida”. Ambas deixaram de seguir a fé protestante e se tornaram também católicas.

Elza do Socorro Souza Farias

Foi com a filha mais velha, Valéria, que Elza sentiu a mediação da Imaculada Conceição. Aos 6 anos, a filha tinha muitas dificuldades cognitivas e apresentava muitas dores de cabeça. Ela foi diagnosticada com um problema numa veia no cérebro que a fazia tomar medicamento para evitar convulsões.

Sem muitas expectativas de melhora, a mãe, junto com a avó, começou a rezar para Nossa Senhora Aparecida pedindo que a criança fosse curada. “Nós a levamos ao Santuário Nacional, acendemos uma vela do tamanho da minha filha e rezamos com muita fé e acreditando no milagre”, descreve a mãe. Algumas semanas depois, Valéria começou a compreender melhor as lições ensinadas pela professora, não sentiu mais dores e nem precisou mais de remédios. “A cura foi tão completa que minha filha passou a ser uma das melhores da turma, sobretudo em matemática. Hoje ela é formada em duas faculdades de Exatas e nunca mais teve problema algum, graças à Virgem Maria”, concluiu.

MÃE APARECIDA: FÉ E ESPERANÇA NO RIO TIETÊ

 

Todos os anos, na solenidade de Nossa Senhora Aparecida, em 12 de outubro, o rio Tietê recebe a imagem peregrina da Padroeira do Brasil. O momento faz parte do projeto “Tietê Esperança Aparecida”, que ocorre desde 2004, idealizado pelo Padre Palmiro Carlos Paes, da Arquidiocese de São Paulo.

Procissão com a imagem de Nossa Senhora Aparecida pelo Rio Tietê.

Com uma tradicional procissão fluvial, a imagem é trazida da nascente do rio, em Salesópolis (SP), até a capital paulista. Em seguida, há a bênção aos devotos e ao rio Tietê na ponte do Piqueri, zona oeste de São Paulo, feita pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, arcebispo metropolitano de São Paulo.

O projeto “Tietê Esperança Aparecida” foi criado com o objetivo de conscientizar a população e as autoridades públicas sobre a importância do trabalho de despoluição do rio aliado à manifestação pública da fé em Nossa Senhora.

“A ideia nasceu a partir da Campanha da Fraternidade de 2004, cujo tema era ‘Água, fonte de vida’. Foi o gesto concreto em resposta a esse apelo da Igreja, sensibilizando a todos sobre a importância ambiental do rio e a necessidade da despoluição”, recorda Padre Palmiro.

Em dezoito anos de existência do projeto, a imagem peregrina já alcançou muitos devotos. Pessoas vindas de diversos lugares da cidade para acompanhar a chegada da Mãe Aparecida na ponte do Piqueri, receber uma bênção e fazer suas preces e agradecimentos.

Em 2020, por razão da pandemia do novo coronavírus, não houve a procissão fluvial, mas uma carreata com a imagem em um carro aberto do Corpo de Bombeiros, escoltado pela Polícia Militar, vinda da Área Pastoral Santo Estêvão Mártir, na zona sul da cidade, local onde o presbítero atua. “Durante todo o trajeto as pessoas buzinavam, acenavam emocionadas saudando Nossa Senhora Aparecida”, conta Paes. Para 2021, a programação será a mesma do ano anterior, seguindo todos os protocolos de biossegurança.

O Documento de Aparecida fala que nas expressões populares da fé existe um lugar de encontro com Cristo e Maria, nesses momentos, faz os devotos encontrarem-se com seu filho. “A minha fé em Nossa Senhora Aparecida foi herdada da minha mãe. Sempre nos momentos de dificuldade eu a ouvia clamando à mãe de Deus, rezando diariamente o Terço. Depois, no meu ministério sacerdotal, em todos os momentos a Virgem Aparecida estava presente. Em todas as paróquias por onde passei há um altar dedicado a Nossa Senhora Aparecida”, finaliza Padre Palmiro.

FRANCISCO: UM DEVOTO DE NOSSA SENHORA APARECIDA

 

O Papa Francisco já demonstrou por diversas vezes sua devoção à Padroeira do Brasil, desde o seu tempo como arcebispo de Buenos Aires, Argentina. Em sua última visita à Terra de Santa Cruz ele comentou sobre suas impressões dessa devoção brasileira: “A Igreja, quando busca Cristo, bate sempre à casa da Mãe e pede: ‘Mostrai-nos Jesus’. É de Maria que se aprende o verdadeiro discipulado. E, por isso, a Igreja sai em missão sempre na esteira de Maria.” (Homilia do Papa Francisco em Aparecida, em 24 de julho de 2013).

Renata Moraes

Jornalista

Start typing and press Enter to search